• Daisy Viola; Mulher-casca de vermelho, 2006; Móbile - pintura acrílica e colagem sobre corpo de papel e tecido, 150x80 cm

Nesta exposição optamos por mostrar o que temos de melhor e mais importante: obras do acervo da galeria, que é composto por artistas que construíram a historia da arte no Brasil no séc. XX e contemporâneos, o que nos permite recortá-lo a partir de diversos pontos de vista. Neste caso, resolvi ‘brincar’ com a possibilidade de expressão com a cor ou a falta dela.

A magia, a luz e a energia que a cor contém são capazes de nos transportar para dentro da imagem representada, seja ela figurativa, como no caso das paisagens, ou abstratas, onde a explosão do gesto provoca a dança do olhar pela superfície colorida.

Quando retiramos a cor de cena, abrimos caminho para as linhas que, em muitas possibilidades de espessuras e trajetórias de um ponto a outro compõem um universo quase infinito de formas, assuntos, texturas e conteúdos, que nos permitem usufruir das linguagens fundamentais do fazer artístico: o desenho, que por muito tempo foi a base de tudo (ou quase tudo) e da gravura, que abriu caminho para a multiplicação de uma mesma imagem, o que multiplica também a capacidade de circulação da obra facilitando o alcance e a comunicação com o espectador.

Nossa artista convidada desta vez é Eliane Santos Rocha, que explora ao máximo a potencialidade da gravura, com dedicação e pesquisa, numa longa trajetória, tendo seu trabalho reconhecido nas instancias legitimadoras, participando de exposições em diversos lugares do mundo, para onde leva a sua arte.

Assim, aqui, nossa intenção é mostrar que o que de fato importa é o conteúdo das obras e a capacidade de cada artista expressar seu universo através de seu trabalho, independente da linguagem escolhida.

Daisy Viola

 

Elipses Abstratos

Gustavo Giacoboni

Trabalho forte entre elipses e cenas abstratas de cores e linhas, hora distorcidas, hora transpassando umas o espaço de outras.

As cores colocadas através de gestos e ritmos que vão dos suaves aos vigorosos. Causam um bom impacto ao espectador de calma e suavidade. Gustavo é um artista que ainda nos apresentará belas surpresas.

Lembranças

Mário Olindo Pozzobon

‘Lembranças’ expõem pinturas de paisagens de um italiano que veio ao Brasil após a guerra. É uma exposição cheia de afeto, é a memória de lugares de origem do artista, traz com ela uma luz de saudade e homenagem.

Depoimentos

Contato

Siga-nos

Nossa Endereço

Rua Duque de Caxias, 649 - CEP: 90010-282, Centro Histórico - Porto Alegre/RS

contato@galeriaespacoculturalduque.com.br