Décio Rodrigues Villares (Rio de Janeiro RJ 1851 – idem 1931). Pintor, escultor e caricaturista. Formado pela Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), no Rio de Janeiro, estuda na Europa, intercalando idas e vindas entre 1872 e 1881. Aluno de pintores consagrados como Victor Meirelles (1832-1903), Alexandre Cabanel (1823-1889) e Pedro Américo (1843-1905), é classificado em primeiro lugar em concurso para professor da Académie des Beaux-Arts [Academia de Belas Artes] de Paris, mas rejeita o cargo por não querer se naturalizar francês. Na França, adere a teses positivistas. Retorna definitivamente ao Brasil em 1881 e passa liderar, em 1888, o grupo dos positivistas que se contrapõe aos modernistas e às reformas que eles exigem que sejam implementadas na Aiba. Passa a desenhar caricaturas para jornais satíricos e, em 1889, participa da concepção da bandeira brasileira. Expõe em 1874, no salão de Paris, o quadro Paolo e Francesca da Rimini. Participa da 25ª e da 26ª Exposições Gerais de Belas Artes na Aiba. Parte de suas obras é incendiada porque sua esposa, num acesso de loucura logo após a morte de Villares, ateia fogo a seu ateliê.

Décio Villares forma-se na tradição instituída pela Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), Rio de Janeiro, trabalhando tanto na pintura quanto na escultura. Por influência de Pedro Américo (1843-1905) pinta temas bíblicos, e chega a receber uma medalha de ouro pela obra São Jerônimo, na Exposição Geral de Belas Artes, no Rio de Janeiro, em 1879. Suas posições ressoam na pintura: nesse momento, a última década do império, Villares é um pintor de formação conservadora, religiosa, e católico fervoroso. Em sua estada na Europa, se aproxima da doutrina positivista, deixando para trás o catolicismo e afirmando-se na perspectiva positivo-materialista inaugurada pelo filósofo Auguste Comte. É nessa época que pinta as obras Queda do Cristianismo e Virgem da Humanidade para o templo positivista de Paris. Por suas ideias, recusa naturalizar-se francês, e perde o cargo de professor da Académie des Beaux-Arts [Academia de Belas Artes] de Paris, conquistado com mérito em concurso.

De volta ao Brasil, em 1881, depara-se com o cenário que leva à proclamação da república oito anos mais tarde. A abolição da escravatura, a formação de mercado interno urbano, a introdução do sindicalismo no país por trabalhadores imigrantes, todo esse panorama coincide com o interesse pelo progresso do pintor positivista. As obras do período retratam estadistas e figuras públicas como Benjamin Constant, Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, entre outros. E partilhando esse espírito de criação de uma identidade nacional republicana que participa da criação da nova bandeira. A tarefa é criar um símbolo que represente as ideias da república brasileira e é cumprida, ou ao menos esboçada, em apenas uma noite. Na escultura e na estatutária, Villares não faz por menos. Talentoso no trato com metais, é o criador de belíssimos bustos também de importantes nomes, principalmente da política. Uma dessas peças coloca-o em injusta celeuma, o Monumento a Júlio Castilhos, em Porto Alegre, é comparado às obras do escultor Auguste Rodin (1840-1917), a tal ponto que rende a Villares uma acusação de plágio.

Em Retrato de Senhora, de 1889, pertencente ao Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), podemos notar características que se repetem em boa parte da obra do pintor. Excelente retratista, suas qualidades no gênero reafirmam-se no retrato feminino. Nesta tela, é notável sua capacidade vigorosa de transmitir, no lânguido olhar da pintura, o ideal feminino de uma época. A figura da mulher toma todo o espaço. Pode-se perceber a influência francesa na pompa, na riqueza de detalhes, na ostentação da postura. Os traços são delicados e finos e a coloração já se deixa tocar pelo romantismo. A calmaria dos olhos numa excepcional composição com a firmeza do conjunto, transparece vivamente a poesia de um talento delicado e criativo.

Depoimentos

Contato

Siga-nos

Nossa Endereço

Rua Duque de Caxias, 649 - CEP: 90010-282, Centro Histórico - Porto Alegre/RS

contato@galeriaespacoculturalduque.com.br