Kenneth Kemble nasceu em Buenos Aires em 10 de julho, 1923.

Ele passou a infância em Martinez, que vai viver na casa toda a sua vida.

Ele estudou pintura em 1950, com seu primeiro professor, Raúl Russo. Em 1951 frequenta a Academia de André Lothe, corre museus em Paris e na França, Itália, Espanha, Inglaterra, Bélgica e Holanda.

A mid 50 retorna à Argentina, com sua primeira esposa, Terry Hanrahan. A sua estadia é breve, uma vez que viajar para os EUA em 1955 e permanece lá por três meses durante o ano nasceu a filha Katherine.

Em 1956, divorciados e novamente em Buenos Aires, ele conhece Silvia Torras, um jovem estudante de arte, juntos fundaram uma relação pessoal e profunda artística.

A partir de 1956, ele começou a desenvolver uma série de colagens e pinturas a óleo – feitos com trapos, prateleiras, caixas, cobertores, que representam uma parte central da renovação da linguagem artística na Argentina. Entre 1958 e 1960 produziu sua série de “paisagens suburbanas” assemblages feito de madeira, cascas, folhas de metal desenhada por favelas Kemble de Cordoba. Em 1958, expôs pela primeira vez na Galeria Pizarro, New Art em exposição. Em 1961, leva adiante a exposição Destructive Art na Galeria Lirolay, experiência que abre o caminho para o conceptualismo na Argentina, e as experiências feitas no Instituto Di Tella e CAYC- Centro de Arte e Experimentación- durante o 60 e 70.

Em 1963, o Museu de Buenos Aires de Arte Moderna dedica sua primeira exposição retrospectiva no mesmo ano exposição individual no Museu de Arte Moderna de Miami.

Durante esse ano, ele se separa de Silvia Torras e meet Julie Capp, com quem se casou em terceiro casamento. Com ele irá se mover para Boston, EUA, onde viveu até 1965.

Entre 1960 e 1972, foi crítico de arte para o Buenos Aires Herald, é diretor do Museu de Luján entre 1968-1972 e em 1962 foi incorporada como um professor na Escola de Belas Artes Ernesto Cárcova, uma tarefa previamente reportado em sua oficina e continuará ao longo de sua vida. Durante 1968 Berta sabe Handel, sua quarta esposa e mãe de Juliet, sua segunda filha, nascida em 1971.

Em 1972, ele ganhou o primeiro prémio de pintura no Salão Nacional de Belas Artes Manuel Belgrano. O 70 será frutífero para a produção artística e crítica: publicado em vários escritos de mídia “A pintura não está se movendo, não barulhento e não é um meio de comunicação, felizmente” -1971 -, “Autocolonización Cultural I e II “e” Em Defesa da Academia “-1976-.

Durante o 80 exposição individual em galerias Alberto Elia -1980-, Benzacar -1985, 87, 89- e Centro de Arte e Comunicação-CAYC, 1988. Recebeu, em 1983, o prêmio de melhor ensino, concedido pela Associação Argentina de Críticos de Arte e Melhor Artista do Ano em 1985, concedido pela mesma instituição.

Em 1987, o crítico Rafael Squirm publicou o livro “Kenneth Kemble, ensaio crítico e biográfico”.

A 90 vê -1990- Borrachas exposição no Gallery, do Instituto Ibero-Americano de Cooperação -ICI de 1994, Nexus Gallery -1998-. Em 1994, venceu o Grande Prêmio de Honra Belas Artes Hall. Entre 1995 e 1998 ocorrem duas grandes exposições retrospectivas, o primeiro na Exposição Nacional eo último no Centro Cultural Recoleta, intitulado A Grande Ruptura. Works (1956-1963), com curadoria de Marcelo Pacheco.

Kemble morreu em 30 de abril de 1998. Ele deixa para trás inúmeras obras, poemas e escritos. Seu descanso cinzas em La Falda, Córdoba, seu refúgio, onde fez o que ele mais amava: comer, pintura, leitura e, acima de tudo, ouvir música.

Depoimentos

Contato

Siga-nos

Nossa Endereço

Rua Duque de Caxias, 649 - CEP: 90010-282, Centro Histórico - Porto Alegre/RS

contato@galeriaespacoculturalduque.com.br