• Daisy Viola; Mulher-casca de vermelho, 2006; Móbile - pintura acrílica e colagem sobre corpo de papel e tecido, 150x80 cm

Lília Sentinger Manfroi

Há muitos modos de se começar. Às vezes, sinto-me numa maratona de grandes figuras e me vejo correndo fora da pista, na calçada, mas continuo correndo.

E que faço ao calcografar no metal ou mesmo quando esculpo a pedra? Respondo: eu me revelo, me descubro, me desnudo e sem medo expresso o que me vem do inconsciente no momento que inicio a riscar a placa de cobre com o buril. Às vezes, minha imaginação começa a trabalhar quando inicio a preparação da placa ao lixar. Nunca sei o que vou desenhar até ver alguma pista na própria matriz. Que pode ser uma mancha, um risco ou uma oxidação do metal.

Muitas vezes vejo cabeças e dali parto à procura do corpo e assim vou criando personas que interagem entre si.

Em base, posso dizer que trabalho com problemas e isto aguça minha curiosidade e meu prazer em riscar-riscar-riscar. Risco por risco, mancha por mancha surge a mensagem ou imagem.

Posso então afirmar que a arte para mim, Lília, é liberdade, comunicação, alegria, minha visão de mundo.

Depoimentos

Contato

Siga-nos

Nossa Endereço

Rua Duque de Caxias, 649 - CEP: 90010-282, Centro Histórico - Porto Alegre/RS

contato@galeriaespacoculturalduque.com.br